Saltar para o conteúdo
Content ID: PR_WCS01_UCM01118483

Exposição "Alvaro Pirez d'Évora, um pintor português em Itália nas vésperas do Renascimento"

Até 15 de março no Museu Nacional de Arte Antiga.

Exposição "Alvaro Pirez d'Évora, um pintor português em Itália nas vésperas do Renascimento" | Banco BPI

Exposição

Até 15 de março no Museu Nacional de Arte Antiga.

Alvaro Pirez é o mais antigo pintor nascido em Portugal documentado na região da Toscana, em Itália, onde trabalhou entre 1410 e 1434. A assinatura que deixou no retábulo da Igreja de Santa Croce de Fossabanda, próximo de Pisa, onde se diz oriundo de Évora, e uma curta referência do grande historiador Giorgio Vasari, de 1568, que o nomeava «Alvaro Piero di Portogallo», comprovam a sua origem.

A qualidade plástica e a importância histórica do pintor Alvaro Pirez d’Évora, de quem se conhecem pouco mais de 50 pinturas, artisticamente enquadradas na pintura centro-italiana da época, justificam a organização de uma grande exposição sobre a sua obra e a sua época, que será apresentada no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, entre 29 de novembro de 2019 e 15 de março de 2020.

Da exposição farão parte pinturas conservadas em Portugal, entre elas a preciosa Anunciação que pertenceu à coleção do chanceler alemão Konrad Adenauer, e ainda obras dos grandes pintores toscanos do seu tempo. Incluindo cerca de 85 peças, pretende-se apresentar também o contexto cultural e artístico em que se desenvolveu a arte de Alvaro Pirez d’Évora. Esta mostra, a mais completa realizada até hoje, contará com empréstimos de grandes museus europeus, entre os quais se destacam a Gemaldegalerie (Berlim), o Musée du Petit Palais (Avignon), o Museo Nazionale di San Matteo (Pisa), a Pinacoteca Nazionale di Siena, a Galleria d’Arte Moderna (Milão), as Gallerie degli Uffizi (Florença), e ainda de muitas outras instituições museológicas e coleções privadas de referência, de Itália, França, Alemanha, Hungria e Polónia.

Testemunho das intensas relações da área mediterrânica nos alvores do Renascimento, pretende-se agora evocar esta figura ímpar de pioneiro e artista, através de um projeto comum concebido pelo Museu Nacional de Arte Antiga e o Polo Museale della Toscana.

Comissariado
Lorenzo Sbaraglio (Polo Museale della Toscana)
Joaquim Oliveira Caetano (Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga)
 

Fundação "la Caixa" e BPI

As duas entidades estabeleceram um acordo de colaboração para o desenvolvimento de projetos de caráter social e cultural em Portugal após o CaixaBank se tornar acionista maioritário do BPI. Fruto desta colaboração, Portugal converte-se no epicentro do compromisso internacional da Fundação "la Caixa" que prevê alcançar um orçamento anual de 50 milhões de euros destinados à ação social em Portugal. A Fundação implementa os seus programas estratégicos de integração laboral, atenção aos idosos e de assistência às pessoas com doenças em estado avançado. Também se leva a cabo outros projetos, tais como a criação de polos de desenvolvimento económico, assim como alianças com museus e entidades culturais de Portugal.

A Fundação "la Caixa" representa hoje um modelo único de compromisso social. Criado há mais de 110 anos, quando se fundou em 1904 em Barcelona a Caja de Pensiones para la Vejez y de Ahorros, "la Caixa". Desde o seu início, a entidade singularizou-se por uma clara finalidade social dirigida a evitar a exclusão financeira e a fomentar o desenvolvimento socioeconómico do território. A Fundação "la Caixa" é atualmente a primeira fundação de Espanha e uma das mais importantes do mundo. As atividades de divulgação cultural são uma das grandes prioridades da Fundação "la Caixa". Para isso, conta com alianças estratégicas, como as formalizadas com o Museu Britânico, o Museu do Louvre ou o Museu do Prado e com instituições portuguesas de referência, tais como a Fundação de Serralves ou a Fundação Calouste Gulbenkian.

A visita à exposição é gratuita para Clientes BPI, mediante apresentação de cartão de débito ou crédito BPI.