Saltar para o conteúdo
Content ID: PR_WCS01_UCM01147476

Exposição Terra de Sonhos inaugurada em Cascais

40 fotografias que podem ser vistas até 30 de setembro.

Exposição Terra de Sonhos inaugurada em Cascais | Banco BPI

Exposição Terra de Sonhos inaugurada em Cascais | Banco BPI

40 fotografias que podem ser vistas até 30 de setembro.

O Presidente da Câmara Municipal de Cascais, Dr. Carlos Carreiras, o Administrador Executivo do BPI, Dr. José Pena do Amaral e a Diretora de Gestão Territorial em Portugal, Dra. Maria João Cabral apresentaram ontem a "Terra de Sonhos. Cristina García Rodero", uma exposição fotográfica que reflete a vida quotidiana dos habitantes de Anantapur, no Estado de Andhra Pradesh, uma das zonas mais pobres da Índia, onde vivem as comunidades mais desfavorecidas e vulneráveis do país.

Sendo a cultura e a arte ferramentas essenciais para promover o desenvolvimento dos cidadãos, a Fundação "la Caixa" procura contribuir para a sensibilização do público através do acesso a conteúdos artísticos, designadamente nas exposições itinerantes que organiza.

Em particular, com o seu programa "Arte na rua", a Fundação "la Caixa" procura transformar o espaço público num museu ao ar livre e levar ao público o trabalho de artistas de renome internacional.

O programa "Arte na rua" iniciou-se em Espanha em 2006 e, desde então, tem dado a conhecer ao público artistas de referência da modernidade, como Auguste Rodin ou Henry Moore, assim como artistas contemporâneos, como Manolo Valdés, Igor Mitoraj ou, mais recentemente, o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado.

É neste quadro que a Fundação "la Caixa", em conjunto com o BPI e em colaboração com a Câmara Municipal de Cascais, apresenta em Cascais a exposição "Terra de Sonhos".

Cristina García Rodero foi convidada a documentar as condições de vida das comunidades de Anantapur, na Índia. Durante um mês e meio, García Rodero visitou hospitais, centros de acolhimento de mulheres vítimas de violência, oficinas, escolas e casas, realizando fotografias que dão voz a pessoas que são, muitas vezes, esquecidas: crianças, pessoas com deficiência e, especialmente, mulheres. Mães, camponesas, costureiras, noivas de diferentes religiões, professoras, enfermeiras e estudantes têm um papel de destaque neste projeto, pois representam um dos principais motores na transformação das comunidades de Anantapur.

A exposição entra no mais sensível e mágico do mundo feminino e na força e capacidade de superação das mulheres em Anantapur. Persistente e excessiva, Cristina García Rodero soube entrar neste mundo e fundir-se na alegria e no sofrimento daqueles que encobrem, com cor e graciosidade, o claro-escuro (chiaroscuro) da sua existência.

O resultado deste projeto são 40 fotografias: uma seleção de imagens representativas das comunidades rurais da Índia, que cativam pela sua qualidade de composição e de vivência.

Através do seu trabalho, García Rodero propõe-nos uma forma particular de ver a Índia, um mundo complexo e fragmentado. Cada fotografia constrói um código visual coerente e, sobretudo, transcendente. A imagem que se transforma em arte.

Cristina García Rodero, uma revolução no paradigma do olhar

Cristina García Rodero é uma figura da fotografia mundial, tanto pela sua personalidade, como pelo impacto nacional e internacional do seu trabalho. Nascida em Puertollano (Ciudad Real) em 1949, licenciou-se em Belas Artes pela Universidad Complutense de Madrid. Foi a primeira espanhola a ser admitida na prestigiada agência de fotojornalismo Magnum. De entre a sua vasta obra, destaca-se a "España oculta", que faz parte da Coleção "la Caixa" de Arte Contemporânea.

Recebeu inúmeros prémios, incluindo o "World Press Photo" em 1993, o "National Photography Award" em 1996, o "FotoPres la Caixa" em 1997, o "PhotoEspaña" em 2000, o Prémio Godó de Fotojornalismo em 2000, as medalhas de ouro do Mérito em Belas Artes, em 2005 e em Castilla-La Mancha em 2016 e, recentemente, o prémio "PhotoEspaña", em 2017. É a primeira fotógrafa espanhola a ter um museu próprio, na sua cidade natal.