Nota Informativa
2 de Setembro de 2022
nota breve 02.09.2022 
  • Dado o maior risco de persistência de pressões inflacionistas, esperamos que o BCE decida aumentar novamente as taxas de juro oficiais na sua reunião da próxima semana em Frankfurt. A maior parte da reunião irá provavelmente concentrar-se em alcançar um consenso sobre a dimensão da subida, com os comentários mais recentes de alguns membros do Conselho do BCE a mostrar uma clara divergência entre aqueles que apoiam a manutenção do ritmo já aprovado em julho (de 50 p.b.) e outros que favorecem um ajustamento em alta (para 75 p.b.). Pensamos que, no cômputo geral, será alcançada uma maioria para aumentar as taxas em 50 p.b., o que daria ao Conselho mais tempo para avaliar a evolução da situação no mercado do gás e o possível impacto da crise energética.
  • Na próxima semana o BCE irá também atualizar o quadro macroeconómico. Após meses de surpresas em alta nos dados, a previsão da inflação terá provavelmente de ser revista em alta tanto para 2022 (6,8% projetada em junho) como para 2023 (3,5%). Em 2024 (2,1%), esperamos que a revisão da previsão seja menor, e que, em todo o caso, se mantenha uma tendência de convergência de volta ao objetivo. Quanto ao crescimento do PIB, a surpresa positiva no segundo trimestre de 2022, bem como a revisão do primeiro trimestre, poderá fazer subir a previsão para 2022 (2,8% projetada em junho), embora seja muito provável que em 2023 (2,1%) e, em menor grau, em 2024 (2,1%) se reflita um maior abrandamento da atividade económica.
  • Quanto à forward guidance, esperamos que o BCE reitere que, no futuro, a dimensão da subida das taxas de juro será decidida numa base de reunião a reunião, dando ao mesmo tempo sinais claros de que o banco central está preparado para acelerar o processo de normalização monetária, se necessário.