nota breve 11.05.2022

Partilhe    
Portugal: Mercado de trabalho não trava recuperação

O mercado de trabalho no 1T em números: 

  • A população empregada aumentou 4.7% homólogo no 1T 2022 e aumentou 0.4% em cadeia; regista uma recuperação de 2.4% face ao 4T 2019 (+115,000 postos de trabalho).
  • A taxa de desemprego situou-se em 5.9%, uma queda de 0.4 p.p. face ao 4T 2021 e de 1.0 p.p. face ao nível pré-pandemia. Excluindo o período da pandemia (quando desceu artificialmente), esta é a taxa mais baixa desde o 3T 2002.
  • A taxa de subutilização do trabalho caiu para 11.5% (11.7% no 4T e 12.7% no 4T 2019).
  • A taxa de atividade atingiu os 59.9%, acima do nível pré-pandemia (59.1%) e um máximo pelo menos desde 1998 (disponibilidade de dados).

Os dados do mercado de trabalho foram mais positivos do que a previsão do BPI Research; de facto, apesar da guerra, dos constrangimentos nas cadeias de abastecimento globais e dos elevados custos das matérias-primas e energia, manteve-se a capacidade de criar emprego, ainda que abaixo do ritmo de crescimento do PIB no mesmo período (2.6% em cadeia e 11.9% homólogo), o que também sugere melhorias ao nível da produtividade. Neste contexto, os dados do 1T deverão levar-nos a rever em baixa a nossa previsão para a taxa de desemprego em 2021 (atualmente em 6.7%), ainda que a incerteza se mantenha elevada, dado o arrastamento do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, a persistência de pressões inflacionistas e o aumento dos custos de financiamento na Zona Euro.